CAMPEONATO ZONA SUL DE MOUNTAIN-BIKE

                                 MARATONA 2017

 

REGULAMENTO GERAL

 

ETAPAS

 

Art 1º- O Campeonato Zona Sul de Mountain-bike Maratona , leia-se também ZONA SUL de MTB, será realizado entre os meses de janeiro e novembro de 2017, contando com ONZE etapas previamente divulgadas.

 

§ 1º- O calendário 2017 assim se apresenta:

 

05 fevereiro – CRISTAL

05 março – ARAMBARÉ

02 abril – PEDRO OSÓRIO

07 maio – CAMAQUÃ

04 junho – PELOTAS

02 julho – SENTINELA DO SUL

06 agosto – SERTÃO SANTANA

03 setembro – CHUVISCA

01 outubro – TURUÇU

05 novembro – RIO GRANDE

26 novembro – SÃO LOURENÇO DO SUL

 

§ 2º- Em caso EXCEPCIONAL poderá a ULC, de acordo com a cidade sede, promover a troca de datas, mediante PRÉVIA divulgação.

 

 

PARTICIPAÇÃO

Art 2º- Participarão do Campeonato, atletas conforme limite de idade e/ou critério técnico:

 

ELITE Critério técnico
Sub-30 Nasc 1993-1988       24 a 29 anos
Júnior Nasc 1994-2000       23 a 17 anos
Master A Nasc 1981-1987       30 a 36 anos
Master B Nasc 1980-1975       37 a 42 anos
Sênior A Nasc 1974-1969       43 a 48 anos
Sênior B Nasc 1968-1963       49 a 54 anos
Sênior C Nasc 1962-1957       55 a 60 anos
Sênior D Nasc 1956 ou antes  61 ou mais
Juvenil Nasc 2002-2001       15 a 16 anos
Estreante Critério técnico
Feminina A Nasc 1978 ou após  39 ou menos
Feminina B Nasc 1977 ou antes 40 ou mais
Iniciante Critério técnico (novatos)
Cicloturismo Sem limite de idade-promocional

 

§ 1º- Em cada etapa DEVERÁ ser realizada, no mínimo, UMA categoria KIDS/Infantil .

 

Art 3º- O Campeonato é ABERTO a participação de ciclistas de todo o território nacional e países vizinhos.

 

 

 

PONTUAÇÃO INDIVIDUAL E IDENTIFICAÇÃO

 

Art 4º- A classificação individual do campeonato em cada categoria, se dará pelo somatório de pontos de todas as etapas, sendo a pontuação de cada etapa: 1º=15, 2º=12, 3º=10, 4º=09, 5º=08, 6º=07, 7º=06, 8º=05, 9º-04 e 10º=03. Para quem COMPLETAR a prova será conferido 02 pontos.

Para efeito de PARTICIPAÇÃO (não considerar primeiras DEZ posições) ou NÃO FINALIZAÇÃO do trajeto da etapa será conferido ao atleta 01 PONTO.

 

§ 1º- A última etapa terá pontuação dobrada.

 
 § 2º- Será conferido um BÔNUS de 10(dez) PONTOS na classificação do Zona Sul 2017 ao ciclista REGISTRADO que PARTICIPAR das 11 etapas previstas para a temporada 2017.

  

 

Art 5º- Para o somatório da pontuação INDIVIDUAL no ZONA SUL 2017 em cada etapa será EXCLUÍDO a posição do atleta que NÃO ESTIVER REGISTRADO em 2017.

 

 

§ 1º- Para efeito da premiação da etapa será preservada a ordem de chegada registrada na súmula oficial

 

 

§ 2º- Para efeito de somatório de pontos e promoções no Campeonato 2017 o atleta deverá ter o REGISTRO DE CICLISTA DO CAMPEONATO ZONA SUL 2017  efetivado até o dia 30 de março de 2017, para validar os pontos, se conquistados, nas duas etapas iniciais.

 

   § 3º- Para o somatório de pontos no Campeonato 2017 todo o ciclista deverá ter participado de , no mímino, SEIS etapas.

 

   § 4º Ao final do Campeonato todo o ciclista deverá somar o resultado de  SOMENTE dez (10)  etapas . Deverá efetuar o descarte de UMA PARTICIPAÇÃO(uma etapa) de pior resultado.

 

  

  § 5º- Quando da necessidade da realização de eventos paralelos a classificação será feita por  tempo cronometrado de todos os ciclistas, obedecendo a pontuação do ZONA SUL.

 

  § 6º- Ao final do Campeonato, os CINCO PRIMEIROS  atletas classificados e todos  os VENCEDORES de uma etapa da categoria ESTREANTES , neste caso somente os ciclistas REGISTRADOS em 2017, deverão serem promovidos para as categorias superiores, obedecendo o limite de idade de cada ciclista.

 

  § 7º- Ao final do Campeonato, o CAMPEÃO da categoria SUB-30 será promovidos para a categoria ELITE e/ou MASTER A, obedecendo o limite de idade do ciclista.

 

  § 8º- A INICIANTE reunirá ciclistas que estejam COMEÇANDO a prática do mountain-bike.  Ao final do campeonato 2017, os DEZ  PRIMEIROS serão promovidos de categoria.

 

 

  § 9º- Na INICIANTE os VENCEDORES de uma etapa  e os ciclistas que tiverem CINCO participações na temporada  serão promovidos de categoria, neste caso, MESMO não tendo efetivado o REGISTRO DE CICLISTA EM 2017.

 

  § 10º- Ao final do Campeonato, o CAMPEÃO da categoria  JÚNIOR será convidado a integrar uma categoria superior.

 

 

 § 11º- O REGISTRO DE CICLISTA deverá ser feito OBRIGATORIAMENTE através do site www.ulcmtb.com.br

 

 

 

Art 6º- Em caso de empate em número de pontos entre dois ou mais atletas, o critério de desempate será o maior número de vitórias(1° lugar) . Persistindo, o desempate será a melhor classificação na última etapa.

 

 

 § 1º- É obrigatório a utilização da numeração de identificação fornecida pela organização do evento, na parte frontal da bicicleta, sem violação de seu formato original, sendo que a afixação e boa visualização é de responsabilidade do atleta.

 

 § 2º- A numeração (placa) será entregue para os atletas no início do Campeonato, ou na primeira etapa que o atleta participar, sendo válida para todas as etapas. Em caso de perda será cobrado uma taxa de R$ 10,00 sem direito a reembolso, salvo quando a placa estiver quebrada ela poderá ser trocada, mas o atleta deverá devolver a placa avariada.

 

 

 

 

PONTUAÇÃO POR EQUIPE

 

Art 7º- A classificação por EQUIPE no Campeonato se dará pelo somatório de pontos individuais dos atletas REGISTRADOS classificados em cada etapa, sem descarte de nenhuma etapa.

 

§ único – Os pontos da categoria ELITE deverão ser multiplicados por 2 (dois).

 

Art 8º- Em caso de empate em número de pontos entre duas ou mais equipes, o critério de desempate será o maior número de vitórias individuais de atletas.

Persistindo o desempate será a melhor classificação individual na última etapa.

 

Art 9º- O número de atletas de cada Equipe em cada categoria é ilimitado.

 

§ 1º – As equipes só poderão inscrever novos atletas até a SEXTA etapa do Zona Sul de MTB 2017, quando será divulgada uma LISTA OFICIAL de REGISTROS.

 

§ 2º- Ao optar por um registro por Clube ou Equipe, o ciclista ficará vinculado à este, até o final da temporada, não podendo desvincular-se.

 

PREMIAÇÃO

 

Art 10- Ao final do Campeonato, os 5(cinco) primeiros atletas classificados de todas as categorias receberão troféus personalizados.

 

Art 11º- Ao final do Campeonato as 5(cinco)melhores equipes classificados na geral, receberão troféus personalizados.

 

 

PROTESTO

Art 12º- Caso algum atleta sinta-se prejudicado durante a competição, poderá encaminhar protesto por escrito à organização do evento, mediante pagamento de taxa correspondente a R$ 500,00. Caso o protesto seja aceito, o valor será devolvido.

     

§ 1º- Serão aceitas pelos promotores do evento, as reclamações efetuadas no prazo máximo de uma hora após a divulgação dos resultados(premiação da etapa).

 

Art 13º- Este Regulamento terá validade por tempo indeterminado, podendo ser revisado a cada ano, sempre após o encerramento do certame em curso .

Art 14º- Este artigo baseia-se no Regulamento Técnico de Mountain-bike da Federação Gaúcha de Ciclismo, capítulo X.

 

§ único – Os casos omissos deste Regulamento serão decididos pela ULC, tendo como base o Regulamento Técnico da modalidade, Federação Gaúcha e Confederação Brasileira de Ciclismo.

 

São Lourenço do Sul, 17 de dezembro de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REGULAMENTO DISCIPLINAR PARA TEMPORADA 2017

 

 

CAPÍTULO I – PRECEITOS GERAIS

Art. 1º- Toda e qualquer sanção e punição deste Regulamento emana dos poderes que o Estatuto desta Federação Gaúcha de Ciclismo e da   Confederação Brasileira de Ciclismo exigem, bem como se baseia nas normas proferidas pela regulamentação do desporto nacional e normas de cada modalidade.

 
 
 
§ Único - Para as punições técnicas e disciplinares, estarão os diretores, os Clubes, as Equipes, os Dirigentes, os Ciclistas e os Comissários subordinados às normas de cada modalidade, aos Regulamentos Técnicos de cada modalidade e aos Regulamentos Específicos de cada Competição.

Art. 2º- São atos passíveis de sanções e/ou punições administrativas, técnicas e disciplinares:
a) Todos os atos que emanam do descumprimento estatutário;
b) Todos os atos que emanam do descumprimento dos direitos, deveres e responsabilidades deste Regulamento;

c) Todas as infrações cometidas em face do disposto nos Regulamentos Técnicos e Específicos de cada modalidade;

d) Todos os atos que emanam de atitudes incompatíveis com a vida esportiva, dos casos omissos ao Estatuto, das Normas e aos Regulamentos Técnicos e Específicos e que sejam como tal, considerados ilícitos;

 

 

 

 

CAPÍTULO II – DO COLÉGIO DE COMISSÁRIOS

Art. 3º – O colégio de Comissários, que julgará casos de sua competência, deverá ser constituído pelos seguintes membros:

a) Um Diretor de Prova;

b) Um comissário;

c) Um representante do promotor do evento.

 

§Único – O Colégio de Comissários será constituído a cada competição, até 15 (quinze) minutos antes da primeira prova do programa.

Art. 4º – São casos de competência do Colégio de Comissários, todos aqueles passíveis de:

a) Advertência por escrito ou verbal;

b) A desclassificação;

§ Único: As penalidades mais severas deverão ser julgadas pelo Tribunal de Justiça Desportiva que será formado pelos dirigentes responsáveis de cada cidade sede de uma etapa do Campeonato Zona Sul de MTB , cuja relação será divulgada antes da realização da primeira etapa do certame 2017.
CAPÍTULO III – DAS PUNIÇÕES TÉCNICAS E DISCIPLINARES

Art. 5º– São casos de competência do Colégio de Comissários, todos aqueles passíveis de:

           a) Advertência por escrito ou verbal;

           b) Desclassificação;

           c) Suspensão;

           d) Resolução IMEDIATA de ocorrências da etapa.
§ Único: As penalidades explicitadas neste artigo não implicam obrigatoriamente em ordem de aplicação, pois estas serão de  acordo com a gravidade e a incidência da infração, aplicadas pelo Colégio de Comissários e/ ou Diretor de prova até a sua competência.

Art. 6º - Serão consideradas infrações técnicas graves, passíveis de sanções e/ou punições:

1) A apresentação da bicicleta sem condições de competição;

2) A falta de algum equipamento e/ ou acessório de segurança em especial o CAPACETE;;

3) A falta do número oficial do evento;
4) O descumprimento dos Regulamentos Técnicos e Normas da modalidade;

5) Circular pelo circuito quando da competição de outras categorias;

6) Voltar pela contra mão ao término de uma competição;

 

7) Utilizar auxílio de agentes externos ( vácuo) de motos ou de ciclistas NÃO INSCRITOS no evento.

 

 

 

 

§ 1º: As infrações descritas neste artigo, serão automaticamente punidas com as seguintes penalidades:

infração Advertência verbal
reincidência Eliminação da Prova
reincidência Julgamento pelo Colégio de Comissários ou seu desdobramento

 

 
 
 
§ 2º: Os ciclistas que cometerem as infrações descritas neste artigo, além das punições enumeradas no 1º parágrafo, poderão estar impedidos de largar.

 

§ 3°: No item 7 do Art. 6º, aplicar-se-á a DESCLASSIFICAÇÃO na etapa.

Art. 7º- Serão consideradas infrações disciplinadas graves, passíveis de sanções e/ou punições:

1) O desrespeito às autoridades da prova;

2)  O desrespeito à arbitragem;

3)  O desrespeito às autoridades de trânsito;

4)  O desrespeito ao público;

5)  O desrespeito ao adversário;

6)  Apresentar-se durante a competição com vestuário desapropriado;

7)  Não comparecer ao podium sem motivo justificável

8)  O uso de palavras de baixo calão em qualquer situação.

§ 1º: As infrações descritas neste artigo serão automaticamente punidas com as seguintes penalidades.

infração Advertência verbal
reincidência Suspensão de 1 Prova
reincidência Julgamento pelo Colégio de Comissários ou seu desdobramento

§ 2º: Os ciclistas que cometerem as infrações descritas neste artigo, além das punições enumeradas no parágrafo 1o, poderão estar impedidos de largar.

 
§ 3º: Para as infrações descritas nos itens 7 e 8 deste artigo, os ciclistas desclassificados serão automaticamente substituídos pelos ciclistas classificados imediatamente após, salvo por total impedimento.

CAPÍTULO IV – DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 8º- Este Regulamento terá validade por tempo indeterminado, podendo ser revisado a cada ano, sempre após o encerramento do certame em curso .

Art. 9º- Os casos omissos deste Regulamento serão decididos pelo Tribunal Desportivo, tendo como base o Regulamento Técnico da modalidade, Federação Gaúcha e Confederação Brasileira de Ciclismo.